Busca:

Eventos e Notícias

OFICIAIS DE JUSTIÇA BUSCAM RECONHECIMENTO DE RISCO DA ATIVIDADE E DIREITO A PORTE DE ARMA

Data: 14/01/2019 - 18:00

Oficiais de Justiça buscam reconhecimento de risco da atividade e direito a porte de arma

Por Cândido Nóbrega


A Federação dos Oficiais de Justiça Estaduais do Brasil (Fojebra) está propondo ao presidente da República, Jair Bolsonaro a edição de um decreto e o envio de uma Medida Provisória (MP) ao Congresso determinando que a profissão seja classificada como atividade de risco, de forma que os profissionais possam ser contemplados com o porte de arma. A ideia é proporcionar a defesa pessoal aos profissionais e evitar que continuem sendo vítimas de violência e até de assassinatos.

A proposta foi subscrita pelo presidente da Fojebra, Edvaldo Lima e pelos diretores legislativo e jurídico-adjunto da entidade, os paraibanos Joselito Bandeira e Alfredo Miranda, respectivamente vice-presidente e diretor jurídico do Sindicato dos Oficiais de Justiça da Paraíba (Sindojus-PB). A entidade encaminhou na última quinta-feira as propostas ao deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, para que ele faça os encaminhamentos legais na Câmara dos deputados e no Palácio do Planalto.

O decreto sugerido propõe que a profissão do oficial de Justiça seja considerada uma atividade de risco, nos termos do art. 10 do Estatuto do Desarmamento. A MP altera a Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2006, e dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas (Sinarm), define crimes e dá outras providências, para dispor sobre o porte de arma de fogo pelos Oficiais de Justiça.

Justificativa

Na justificativa das proposituras, as lideranças classistas destacaram ser o Oficial de Justiça o servidor público do Poder Judiciário que dá efetividade às decisões judiciais ao cumprir os mandados, levando essas decisões às mais variadas pessoas e nos mais diversos tipos de ambientes urbanos e rurais, inclusive em ambientes de autos índices de criminalidade, sendo estes profissionais o elo entre o sistema de justiça criminal e a sociedade, extra muros do ambiente forense. “Apesar da violência urbana ser uma realidade, esse trabalho os expõe a um grau diferenciado de risco, por terem de realizar uma missão estatal diretamente vinculada à segurança pública, sem poder portar arma para defesa pessoal e sozinhos”, alertaram.

InfoJus Brasil: Com informações do Portal Juristas
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11

Área do Associado

Login:
Senha:
Esqueceu a senha?
Cadastre-se já!

Newsletter

Preencha o cadastro abaixo e
receba novidades e o boletim semanal da AOJA por e-mail.
Seu Nome:
Seu E-mail:

Galeria de fotos

Acesse nossa galeria de fotos Clique na foto e confira mais...

Sedes

Sedes Acesse nossa galeria de fotos. Clique aqui e confira mais.

AOJA/RJ

Av. Erasmo Braga, 255 - Sala 501 e 502 - Centro
Castelo - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20026-000
Fone: (55 21) 2533-5529 // 2240-2446
Tel/Fax: (55 21) 2533-4689
E-mail: contato@aoja.org.br
Desenvolvido por Internit