Busca:

Eventos e Notícias

STF garante a servidor transferido vaga em universidade pública se não existir curso privado similar

Data: 20/09/2018 - 12:46

STF garante a servidor transferido vaga em universidade pública se não existir curso privado similar
STF garante a servidor transferido vaga em universidade pública se não existir curso privado similar
Decisão também vale para dependentes e é preciso que transferência tenha sido imposta e não a pedido do servidor. Caso tem repercussão geral e entendimento valerá para outros processos que correm na Justiça.
O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (19), por 8 votos a 1, garantir que servidores públicos militares e civis transferidos de cidade tenham vaga em universidade pública quando não houver, no local de destino, curso particular similar ao que cursava.

A garantia também vale, segundo a decisão, para os dependentes dos servidores. Conforme o Supremo, a transferência tem que ter sido imposta pelo poder público e não a pedido do servidor.

Na avaliação da maioria, o poder público deve viabilizar o direito à educação dos servidores e dependentes em caso de transferência.

"No presente caso, exigir que a transferência se dê entre instituições de ensino congêneres praticamente inviabilizaria o direito à educação não apenas dos servidores, mas de seus dependentes. Solução que, além de ir de encontro à disciplina feita pelo legislador, exclui por completo a fruição de um direito fundamental", afirmou o ministro Luiz Edson Fachin, relator do caso.

O Supremo julgou um recurso da Universidade Federal de Rio Grande, no Rio Grande do Sul, contra decisão do Tribunal Regional da Quarta Região (TRF-4), que garantiu a matrícula no curso de direito no caso de um servidor transferido do Rio de Janeiro.

A universidade recorreu sob o argumento de que seria "indevido privilégio" aos servidores, além de ser "imoral", porque as vagas são escassas.

O caso tem repercussão geral e a decisão valerá para todos os processos semelhantes que correm nas instâncias inferiores. Segundo o STF, há 74 casos parados em outros tribunais sobre o tema.

O ministro Alexandre de Moraes concordou com o relator. "Se ele (servidor) for obrigatoriamente removido, tem o direito de continuar seus estudos. Nem o militar, nem seus familiares poderiam ser prejudicados pelo mesmo Estado que determina a transferência dele", frisou o ministro.

Fonte: STF


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Área do Associado

Login:
Senha:
Esqueceu a senha?
Cadastre-se já!

Newsletter

Preencha o cadastro abaixo e
receba novidades e o boletim semanal da AOJA por e-mail.
Seu Nome:
Seu E-mail:

Galeria de fotos

Acesse nossa galeria de fotos Clique na foto e confira mais...

Sedes

Sedes Acesse nossa galeria de fotos. Clique aqui e confira mais.

AOJA/RJ

Av. Erasmo Braga, 255 - Sala 501 e 502 - Centro
Castelo - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20026-000
Fone: (55 21) 2533-5529 // 2240-2446
Tel/Fax: (55 21) 2533-4689
E-mail: contato@aoja.org.br
Desenvolvido por Internit